É com o objectivo de partilhar conhecimentos e promover um espaço de reflexão em torno da temática da engenharia genética e suas implicações éticas que surge este espaço web.

domingo, março 26, 2006

Cientistas dizem ter descoberto gene do cabelo rebelde

O primeiro gene, baptizado de Fz6 ou frizzled 6 ("encrespado 6", na tradução literal), poderia explicar porque as pessoas têm o cabelo encaracolado ou sobrancelhas muito grossas.
A busca pelo gene começou com a observação de tufos de pêlos grossos e rebeldes na cabeça de camundongos aparentemente normais e saudáveis.
Os pesquisadores examinaram os pêlos no microscópio e descobriram que eles também tinham uma aparência normal, o que os levou a constatar que o sentido em que o cabelo cresce, bem como a sua textura, são aparentemente controlados por células da pele ao redor da base do cabelo, em vez de na raiz propriamente dita.
Certos genes estariam a actuar nessas células.
Outras funções no corpo humano associadas às famílias desses genes podem incluir o desenvolvimento de vasos sanguíneos no olho e também determinar a direção do crescimento dos nervos na medula espinhal.
Uma pesquisa recente sugeriu ainda que a orientação do sentido do crescimento dos pêlos acabaria determinando se organismos, incluindo seres humanos, seriam canhotos ou destros - ou seja, a actuação desses genes também pode influenciar o maior uso de regiões cerebrais específicas.

Descoberto gene que pode controlar início da vida

Um grupo de cientistas britânicos descobriu um gene que poderá controlar um dos primeiros momentos da criação da vida humana, quando o espermatozóide fecunda o óvulo, noticia esta sexta-feira o diário britânico «The Times».
O gene, a que os investigadores deram o nome de "HIRA", permite que o ADN dos dois progenitores se una depois da fecundação.Os primeiros quinze minutos são determinantes, por ser nesse período que o gene se activa e propicia a divisão do óvulo fecundado.Os cientistas, da Universidade de Bath (sul de Inglaterra), descobriram que a ausência ou a mutação do "HIRA" no momento da fecundação impede o processo de formação do embrião, mesmo depois de ter sido fecundado por esperma em bom estado. Embora até agora este gene só tenha sido estudado em moscas da fruta, os cientistas pensam que este processo genético é importante em todas as espécies que se reproduzem sexualmente, incluindo a humana. Tim Karr, o coordenador do estudo, afirmou que «o ADN do espermatozóide deve combinar-se com o ADN materno, no primeiro acto da fertilização genética», o que mostra a importância do gene "HIRA".
Fonte:TSF

sexta-feira, março 24, 2006

Descoberto medicamento que funciona em casos de progéria

Investigadores da Los Angeles University, EUA, descobriram o que poderá ser o princípio de um tratamento para a progéria, uma doença raríssima que provoca o envelhecimento prematuro e a morte de crianças. Um grupo de ratinhos foi tratado com uma substância usada contra o cancro, que parece retardar os sintomas da progéria, diz a equipa na revista Science.
A aplicação do medicamento permitiu melhorias nos ratinhos doentes, mas não foi ainda capaz de eliminar todos os sintomas. De acordo com os investigadores, o problema poderá ter estado nas doses administradas, que terão que ser acertadas nos próximos ensaios. Ao todo, foram usados 27 ratinhos como cobaias na experiência, que se prolongou por 20 semanas. Destes, 13 foram tratados com a substância inibidora de alterações celulares. Como resultado, apenas um morreu, enquanto no grupo dos animais não tratados se registaram seis mortes. Os ratinhos a quem foi dado o medicamento também mostraram menos sinais de complicações relacionadas com a doença: tinham mais força e só foram contadas duas costelas fracturadas, contra as 14 verificadas no grupo de controlo.

Fonte:Público

Citrinos previnem alguns tipos de cancro

Comer uma laranja por dia pode ser o passo mais seguro para a protecção contra certos tipos de cancro.
Comer uma laranja por dia pode ser o passo mais seguro para a protecção contra certos tipos de cancro. De acordo com um estudo recentemente publicado por investigadores australianos, os citrinos podem reduzir o risco de se sofrer de cancro do estômago, da laringe e da boca. Estes frutos têm uma acção protectora, graças às suas propriedades antioxidantes e de reforço do sistema imunitário. As laranjas são mesmo o fruto com maior quantidade de antioxidantes, com 170 fito-químicos diferentes, incluíndo mais de 60 flavonóides com acção benéfica sobre as inflamações e coágulos sanguíneos. O estudo australiano, que se baseou em 48 investigações internacionais, assegura também que chegou a “provas convincentes” de que os citrinos podem reduzir o risco de doenças cardiovasculares, obesidade e diabetes.

Alergia a frutos secos tende a aumentar

Amendoins, nozes, pistachios, pinhões. São muitas as variedades de frutos secos, assim como diversificadas são as suas utilizações.

Amendoins, nozes, pistachios, pinhões. São muitas as variedades de frutos secos, assim como diversificadas são as suas utilizações. Mas, para muitas pessoas, os frutos secos não representam satisfação alimentar, mas antes uma fonte de problemas de saúde. No período de 1997 a 2002, as alergias aos frutos secos aumentaram, de acordo com um novo estudo apresentado num jornal da especialidade. Os investigadores detectaram que os resultados mais graves foram os registados entre as crianças, em que a taxa de incidência de alergias a frutos secos passou de 0,4% para 0,8%. De acordo com o mesmo estudo, este aumento pode dever-se à introdução prematura de frutos secos na alimentação da criança, quando o seu sistema imunitário não está ainda desenvolvido e à utilização de cremes que contêm amendoim ou fórmulas com soja, por vezes transgénica.
Fonte: (Journal of Allergy and Clinical Immunology)

segunda-feira, março 20, 2006

Cientistas criam porco transgénico fluorescente

Uma equipa de cientistas de Taiwan anunciou recentemente ter criado porcos fluorescentes, que representam uma “contribuição importante" para as pesquisas relacionadas com células estaminais. O feito foi conseguido através da inoculação de uma proteína verde fluorescente, extraída de medusas, no núcleo das células de um embrião de porco, explica Wu Shinn-Chih, chefe da equipa de cientistas e membro da Faculdade de Ciência Animal da Universidade Nacional de Taiwan.Wu espera que a tecnologia desenvolvida possa acelerar a pesquisa clínica sobre células estaminais humanas e ser utilizada para monitorizar e rastrear alterações no desenvolvimento de tecidos das células utilizadas para gerar novos órgãos humanos, destinados a substituir os deficientes.O cientista assegurou também que os porcos verdes não podem ser cruzados com espécies selvagens, produzindo monstros.

sábado, março 18, 2006

Suécia quer regulamentar pesquisa em clonagem terapêutica

O governo sueco anunciou nesta quinta-feira que enviará um projecto de lei ao parlamento para regulamentar as pesquisas sobre a clonagem humana para fins terapêuticos.O projecto de lei prevê também, o veto à clonagem reprodutiva.
O objectivo é fazer o país avançar na pesquisa com células-tronco, uma das questões mais avançadas e polémicas da biotecnologia. Células-tronco são células neutras que ainda não possuem características que as diferenciem como uma célula da pele ou do músculo, por exemplo. Essa capacidade em se diferenciar noutros tecidos tem chamado a atenção dos cientistas.
Muitos estudos têm mostrado que as células-tronco podem recompor tecidos danificados e, assim, teoricamente, tratar um infindável número de problemas, como alguns tipos de cancro, o mal de Parkinson e de Alzheimer, doenças degenerativas e cardíacas ou até mesmo fazer com que pessoas que sofreram lesão na coluna voltem a andar.
As células-tronco mais potentes são aquelas extraídas de embriões, pois podem se desenvolver em praticamente qualquer tecido do corpo. Só que, para evitar rejeições, o melhor seria utilizar um embrião clonado do próprio paciente. Este procedimento apenas não serve para pessoas portadoras de doenças genéticas. Actualmente, a Suécia é líder na pesquisa desta área. Apenas a Universidade de Gotemburgo tem a patente de 19 linhagens de células-tronco, a maior do mundo.

sexta-feira, março 17, 2006

Espanhóis descobrem papel de uma proteína no cancro e envelhecimento

Uma equipa espanhola, dirigida pela pesquisadora María Blasco, demonstrou o "importante papel" da proteína TRF2, presente na extremidade dos cromossomas ou telómeros, no desenvolvimento do cancro e no envelhecimento celular.
Até agora, sabia-se que a proteína TRF2 estava presente em quantidades elevadas em cancros como os de pulmão, fígado e mama, mas este estudo demonstra pela primeira vez sua "especial intervenção" no desenvolvimento do envelhecimento prematuro e dos tumores em geral.
Para estudar o papel desta proteína, as pesquisadoras do CNIO aumentaram a quantidade de TRF2 em células epiteliais (as que recobrem as superfícies externas e internas do organismo) de ratos transgénicos. Blasco indicou que desta alteração nos níveis da proteína resultou numa degradação imediata dos telómeros, produzindo um envelhecimento prematuro da pele, e aumentou as mutações genéticas.
O passo seguinte consistirá no estudo da proteína TRF2 em síndromes hereditárias humanas caracterizadas por envelhecimento prematuro e maior incidência de cancro.

segunda-feira, março 13, 2006

Como os transgénicos podem afectar o ambiente

Como os transgénicos podem afectar o ambiente:
Superpragas:
1. Boa parte dos chamados transgénicos de primeira geração recebem um gene que os tornam resistentes a herbicidas e insecticidas. Assim, podem receber mais agrotóxicos que o usual.
2. A quantidade exagerada de veneno pode, teoricamente, criar ervas-daninhas e insectos extremamente resistentes, que não poderiam ser combatidos pelos defensivos agrícolas comuns.
3. Para evitar o problema, discute-se nos EUA um sistema de refúgio de espécies. Ou seja, o agricultor plantaria uma certa percentagem (entre 10% e 50%) de plantas não-modificadas para garantir o cruzamento entre espécies de pragas e, assim, diminuir a resistência.
Cruzamento perigoso:
1. Em lugares onde há espécies agrícolas selvagens (como é o caso do milho no México), o pólen de um transgénico poderia fecundar espécies nativas, reduzindo a biodiversidade.
Alvo errado:
1. Uma variedade de milho transgénico recebe um gene de bactéria para produzir uma toxina mortal para as pragas mais comuns da lavoura.
2. Acontece que essa toxina é pouco seletiva: ela pode atingir também espécies não-alvo, que habitam o milharal, mas não atacam a lavoura. O caso é crítico no Brasil, onde há muitas espécies desconhecidas.
Fonte: Especial "Transgênicos" (Folha de S.Paulo, ago/2000) (texto adaptado)

sábado, março 11, 2006

Como os transgénicos podem afectar a saúde

Como os transgénicos podem afectar a saúde:
Superbactérias:
1. Algumas plantas geneticamente modificadas recebem um gene de resistência a antibióticos. É uma forma de saber se a transformação foi bem sucedida.
2. Esse gene provoca o aumento da taxa de transferência do DNA, ou seja, da facilidade com que fragmentos do código genético da planta passam de um organismo para outro.
3. Há um risco teórico de que as bactérias do intestino humano absorvam esse gene, tornando-se resistentes aos antibióticos. Aí, qualquer doença, mesmo simples, pode tornar-se um problema grave.
Alergias:
1. Para se defender de agressores, a planta produz diversas substâncias que podem ser tóxicas ao homem, provocando alergia.
2. Um único gene "alienígena" poderia alterar o equilíbrio de várias dessas substâncias, aumentando sua produção. Um estudo feito com soja transgénica mostrou que ela é mais alergénica que a soja normal.
3. Como ninguém conhece todos os genes das plantas, alguns especialistas afirmam que faltam estudos para avaliar a segurança dos transgénicos.
Fonte:Especial "Transgênicos" (Folha de S.Paulo, ago/2000) (texto adaptado)

sexta-feira, março 10, 2006

OGM - Quem beneficia??

A publicação “Who Benefits from GM Crops? Monsanto and its corporate driven genetically modified crop revolution” demonstra que não se fizeram sentir quaisquer impactos positivos ao nível dos problemas de fome e pobreza africanos. O aumento de cultivos transgénicos em vários países decorreu das estratégias agressivas da indústria de biotecnologia e não de benefícios da utilização de transgénicos.
«Contrariamente às promessas feitas pela indústria de biotecnologia, a realidade dos últimos dez anos mostra que a segurança das culturas OGM [organismos geneticamente modificados] não pode ser assegurada e que estas culturas não são bem baratas nem de melhor qualidade», disse Nnimmo Bassey, da Friends of the Earth.
Ao mesmo tempo que vários países africanos sofrem pressões internacionais para adoptarem os OGM nas suas agriculturas, a África do Sul impôs uma moratória que proíbe a introdução de novos transgénicos no país.
Relatórios concluem especificamente que as culturas OGM em África não vão resolver o problema da fome, já que a maior parte dos transgénicos comercializados, até agora, são destinados à alimentação animal e não humana; não foi introduzido nenhum OGM específico para o combate à fome e pobreza, relata a GhanaWeb.
Fonte: http://www.confagri.pt/ (Patrícia Santos CONFRAGI)

quinta-feira, março 09, 2006

Frangos transgénicos podem ajudar a combater a gripe aviária

"Desenvolver um frango resistente à gripe aporta claros benefícios à saúde animal e humana". Uma equipa de cientistas do Reino Unido estuda um projecto para criar frangos geneticamente modificados para combater a gripe aviária, publicou neste sábado o The Times.
Os pesquisadores querem produzir um frango imune ao vírus H5N1, que provocou o sacrifício de milhões de aves em vários países do sudeste da Ásia.
Se a técnica funcionar, ainda demorará vários anos até que se possa usá-lo para substituir os frangos normais das fazendas, já que requereria a aprovação dos organismos reguladores pertinentes.
A equipa de especialistas, dirigida por Laurence Tiley, professor de virologia molecular na Universidade de Cambridge, e Helen Sang, do Instituto Roslin de Edimburgo, acha que repovoar as fazendas com essa ave transgénica tornaria mais difícil a mutação do vírus e sua consequente transmissão para os humanos.
Os cientistas já comprovaram que as células dos frangos podem resistir à doença mediante a inserção de pequenos segmentos de material genético e, agora, desejam utilizar o mesmo procedimento com ovos.
Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna (texto com modificações)

terça-feira, março 07, 2006

Nascem dois clones bovinos em risco de extinção

A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) anunciou o nascimento de dois clones bovinos. De acordo com a entidade, o facto tem um sentido especial por serem clones de uma mesma vaca doadora de uma raça em alto risco de extinção, com um número de animais inferior a 100 em todo o país. Os novos clones estão no Campo Experimental Sucupira, próximo a Brasília.
"Potira e Porã", como são chamadas as novas bezerrinhas, são clones de uma mesma fêmea bovina da raça Junqueira, que faz parte do Programa de Conservação e Uso de Recursos Genéticos Animais da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, unidade da Embrapa, que deu mais um passo importante para unir a moderna biotecnologia animal ao resgate de parte da história brasileira, com a preservação de raças de animais domésticos ameaçadas de extinção.
Fonte:http://noticias.terra.com.br/ (texto adapatado)

domingo, março 05, 2006

A clonagem e a biotecnologia

A clonagem é uma técnica relativamente recente e indissociável da biotecnologia e engenharia genética daí a referência a esta técnica neste blog.
Se por um lado a biotecnologia possibilita a intervenção ao nível do material genético das espécies e produção de novos organismos com características melhoradas, por outro de nada nos serviriam estas alterações sendo apenas pontuais. Daí a grande importância da clonagem para o sucesso da engenharia genética.
A clonagem permite criar bibliotecas de genes - múltiplas cópias do organismo geneticamente modificado que desejam. Por exemplo, promovendo a clonagem de bactérias que possuam o seu material genético alterado para a produção de proteínas , por exemplo, a insulina, criam-se grandes reservas desta proteína tão necessária para a sobrevivência de muitas pessoas.
Assim como a biotecnologia, também a clonagem dá o seu contributo para a melhoria das condições de vida das populações.
By: Margarida

sexta-feira, março 03, 2006

A utopia da clonagem humana

"A clonagem há muito que é aplicada nas plantas, mais recentemente em animais, e chegou agora vez do homem se clonar a si próprio. O que aflige a comunidade científica, não parece ser o facto em si, mas apenas a pouca eficácia dos métodos disponíveis."
Múltiplas são as vezes que tomamos conhecimento a partir dos media de experiências de clonagem humana que algumas clínicas e institutos reinvidicam. No entanto nunca tal provado.
Segundo diversos estudos realizados nas mais prestigiadas universidades do mundo, as técnicas de clonagem disponíveis apenas permitiriam uma taxa de sobrevivência de embriões muito reduzida e no caso do embrião conseguir vingar, as crianças nasceriam com malformações tais como insuficiências respiratórias e imunológicas, problemas mentais e cardiovasculares...
O debate pró e contra a clonagem há muito que se instalou na sociedade.
A clonagem humana, com fins "reprodutivos" ou "terapêuticos" ultrapassou desta forma a fase das especulações científicas e em breve será uma realidade. Não faltam candidatos para realizarem as primeiras experiências.
Clonagem Reprodutiva: Tem por objectivo o nascimento de crianças.
Clonagem Terapêutica: Tem por objectivo a obtenção de tecidos ou orgãos destinados a fins médicos.
Fonte: http://afilosofia.no.sapo.pt/10clonagem.htm (texto com supressões e alterações)

quarta-feira, março 01, 2006

Clonagem animal

A clonagem animal pode ser feita, basicamente, de duas formas: separando-se as células de um embrião no seu estágio inicial de multiplicação celular, ou pela substituição do núcleo de um óvulo por outro proveniente de uma célula de um indivíduo já existente. A primeira forma, separação provocada das células de um embrião, produzirá novos indivíduos exactamente iguais, quanto ao património genético, porém diferentes de qualquer outro já existente.
A segunda forma, que reproduz assexuadamente um indivíduo igual a outro previamente existente, pela substituição do material nuclear, também denominada de duplicação.
O primeiro experimento com sucesso já foi realizado em 1952. Obtiveram-se os primeiros clones de rãs, por substituição de núcleos celulares. Durante muitos anos isto foi testado em diferentes espécies animais, especialmente mamíferos. O Prof. Ian Wilmut e seus colaboradores, do Roslin Institute, de Edimburgo/Escócia, associados a empresa PPL, realizaram em 1996, uma substituição do núcleo de um óvulo pelo de uma célula mamária proveniente de uma ovelha adulta obtendo-se a Dolly.
"Clones e transgênicos são o resultado de técnicas indissociáveis", afirma o geneticista José Antonio Visintin, da Universidade de São Paulo. Enquanto os métodos de mutação genética produzem o animal com as características desejadas, a clonagem multiplica-o.
A clonagem visa, assim obter melhoramento genético mas também salvar espécies ameaçadas, como o urso-panda chinês, o tigre-de-bengala ou o mico-leão-dourado. "Um dos principais clientes da biotecnologia é a preservação genética de animais em via de extinção", diz o pesquisador da Embrapa.
Fonte: http://col1107.vilabol.uol.com.br/ (texto com supressões e modificações)